Rosé, que paixão

Quando o calor chega, não há nada mais atraente do que um copo de rosé gelado, que, com sua delicada cor rosa e seu buquê, tão rico em frutas frescas, nos faz imediatamente pensar que estamos em férias.

O vinho Rosé surgiu na França, onde ainda hoje representa o vinho de Natal, enquanto na Itália, se espalhou a partir do século XX, quando Leone De Castris, em 1925, começou a comercializar seu rosé

O vinho rosé não é o resultado da mistura de vinho tinto com vinho branco, o que também é proibido por lei, mas é o produto de uvas vermelhas vinificadas em branco, ou com um tempo muito curto de maceração. Em outras palavras, ao contrário da vinificação em vermelho, para produzir o rosado as peles de uvas vermelhas são deixadas a macerar para um tempo reduzido: não por cerca de 15 dias, como no caso da produção de vinho tinto, mas por algumas horas, no máximo, 24 – 48 horas

A cor do vinho depende precisamente da duração do tempo de maceração e é dividida em três categorias:

Rosa suave, um tom muito leve, que lembra os tons de flor de pessegueiro, cobre ou casca de cebola e pode ser obtido com uma curta maceração das uvas (2 ou 3 horas), ou com a maceração de uvas brancas com corantes como o Pinot Grigio. Um exemplo é o rosé da Provence ou o Pinot Grigio Ramato do Veneto.

Rosa Cerasuolo, o nome deriva do fato de que essa sombra lembra a “cereja” e é obtida com uma maceração mais longa das peles (6-10 horas). Um exemplo é o Cerasuolo d’Abruzzo baseado em uvas Montepulciano.

Rosa claro, uma cor muito mais escura que as outras duas, quase rubi, obtido através de uma maceração de 10 a 24 horas ou com vinificação em uvas vermelhas, com poucos taninos e baixa pigmentação, como o Pinot Noir. Um exemplo é o Clairet de Bordeaux.

Podemos afirmar que o vinho Rosé tem características semelhantes ao vinho branco em quanto deve ser servido fresco (a uma temperatura de 10-12 graus), tem uma forte acidez e um teor alcoólico entre 12,5% e 13,5%, e possui um sabor suave e aveludado com delicados aromas de frutas frescas.

Todas estas qualidades fazem dele um vinho versátil, ideal como aperitivo ou para acompanhar entradas de peixe, saladas mistas, massas e risotos delicados, bem como carnes curadas, flans vegetais e parmegianas. Em suma, um vinho para todas as refeições.

Salute!

Alessandro Moretti

Deixe um comentário