Vinícolas por região

A Itália é um enorme canteiro de videiras de norte a sul, abençoado com um número extraordinário de variedades de uvas vitis viniferas plantadas em seu território, em torno de 800 a 1.000, e conta com o maior acervo ampelográfico do mundo, com mais de 375 variedades de uvas autóctones.

O país se divide em três grandes áreas e 20 regiões vitivinícolas:

O Norte, que inclui Valle d’Aosta, Piemonte, Lombardia, Liguria, Vêneto,
Trentino-Alto Ádige, Friuli-Venezia Giulia e Emilia-Romagna.

O Centro, que abrange Toscana, Marche, Umbria, Lazio, Abruzzo e Molise.

O Sul, que se estende por Basilicata, Campania, Puglia, Calabria, até as ilhas da Sicília e Sardegna.

A diversidade do território, com solos e micro-climas distintos, influenciam diretamente nas caraterísticas organolépticas dos vinhos.

Assim, o clima continental do Norte gera vinhos tintos secos, encorpados com um tanino bem definido, e brancos delicados, minerais e elegantes. No Centro, onde o território é mais montanhoso, há uma grande amplitude térmica, que associada ao terroir muito rico em minerais, produz tintos mais encorpados de qualidade superior, tanto de castas locais como internacionais, enquanto os brancos são refrescantes e estruturados. No Sul, onde o clima é quente e seco, com invernos suaves e verões tórridos, os tintos são aveludados e frutados, e os brancos muito perfumados e intensos.

Atualmente, importamos vinhos do Trentino-Alto Ádige, Vêneto, Piemonte, Emilia-Romagna, Toscana, Puglia e Sicília.