Sicília

 

A Sicília é a maior ilha do Mediterrâneo, separada da Itália pelo Estreito de Messina. Devido à sua posição geográfica, exerceu ao longo da história papel de grande importância estratégica e, por isso, acabou sendo conquistada e influenciada por diversos povos, entre gregos, fenícios, cartagineses, romanos, árabes, bizantinos e normandos. Cada uma destas civilizações deixou traços na cultura siciliana, na arquitetura, nos costumes, na comida e no vinho.

Acredita-se que a videira cresceu espontaneamente na Sicília muito antes da chegada dos gregos, e muitas uvas, hoje consideradas nativas, foram levadas pelos fenícios. Entretanto, os gregos teriam sido os responsáveis pela introdução de vinhas de melhor qualidade, além de melhores técnicas de cultivo das videiras.

Já na época do Império Romano, os vinhos da Sicília estavam entre os mais famosos do mundo antigo, e eram exportados e amplamente apreciados em todos os lugares. Naquela época, um dos mais famosos vinhos doces sicilianos era o “Mamertino”, feito da uva Grillo, muito apreciado pelas classes sociais mais nobres, sendo o vinho favorito do imperador Júlio César.

O vinho fortificado mais famoso e emblemático da Sicília é o Marsala, que representou um marco na viticultura da ilha. Em 1773 o comerciante inglês John Woodhouse desembarcou no porto de Marsala, forçado por uma tempestade. Provou o vinho local numa taberna e resolveu levar alguns barris para comercializar na Inglaterra. Para enfrentar a longa viagem de navio, foi adicionada aguardente de uva a fim de preservar as características e elevar o teor alcoólico. O resultado foi excelente, adicionando textura e potência ao vinho. O sucesso foi tão grande, que marcou a fortuna comercial de Woodhouse e da enologia siciliana.

 

 

O terroir siciliano é propenso à produção de vinhos intensos, concentrados e com explosão de fruta. Na parte oriental da ilha concentra-se a produção dos tintos, com destaque para a região do imponente Vulcão Etna, onde atualmente estão plantadas, a mais de três mil metros de altitude, algumas das melhores vinhas da Itália. Na parte ocidental, dominam os vinhos brancos.

A exemplo de outras regiões italianas, a Sicília também se destaca pela quantidade e variedade de uvas nativas.

A Nero d’Avola, que origina um dos tintos mais famosos e conhecidos do Sul da Itália, reina entre as tintas, originando vinhos com aromas intensos, que podem ser elaborados como varietais ou em cortes. Há outras tintas de destaque, como as delicadas Perricone e Nerello Mascalese, da qual provêm vinhos leves e muito saborosos, além da Capuccio e Frappato. Entre as brancas nativas, os vinhos de maior potencial e personalidade são elaborados com Catarrato, Inzolia, Grillo e Carricante.

Já entre as variedades internacionais, destaque para a Syrah e Cabernet Sauvignon, entre as tintas, sem tirar o mérito da Chardonnay, entre as brancas.

Com 103.000 ha plantados de videiras, a Sicília é a maior fonte de vinhos de toda a Itália, com a impressionante produção de mais de 500 milhões de litros anuais.

Na cidade de Marsala é praticamente impossível encontrar uma propriedade que não cultive uvas, e na parte mais alta da região, encontramos a vinícola Baglio Oro.

Baglio Oro foi fundada pela tenacidade de Giuseppe Laudicina, conhecido como Don Pino, homem de tradições antigas, que passou para o filho Francesco e o genro Michele Cottone, o amor por sua terra e pela produção de vinho.

Sua história começa com o trabalho de Don Pino que, entre os anos 50 e 70, vendia as suas uvas para as grandes vinícolas da região, pois precisava comprar mais terras para plantar. Em 2007, percebendo a qualidade dos vinhos produzidos com suas uvas, Don Pino, juntamente com Francesco e Michele, decidiram produzir seu próprio vinho e fundaram a vinícola Baglio Oro, transformando a velha propriedade em uma cantina moderna.

A vinícola se estende por uma área de 100 hectares de vinhedos, onde são plantadas variedades nativas, Grillo, Grecanico, Inzolia, Catarratto, Nero d’Avola e Frappato, juntamente com algumas internacionais, como Syrah, Cabernet Sauvignon e Merlot, que encontraram na Sicília um habitat perfeito.

Mãos hábeis continuam a trabalhar a terra com tarefas antigas transmitidas por seus ancestrais. As uvas são colhidas manualmente, a fim de evitar os processos de oxidação, e graças à moderna tecnologia empregada na cantina, são preservadas as características aromáticas e únicas de cada variedade. É o perfeito equilíbrio entre tradição e inovação.

”O objetivo da cantina é transferir a singularidade da Sicília para os vinhos Baglio Oro. Isso só é possível graças à excelência das uvas utilizadas”

Giuseppe Laudicina

A vinícola Baglio Oro, cuja história começou com cultivo de uvas desde os anos 50, iniciou a produção de vinhos a partir de 2007. Ao longo do tempo, graças à combinação entre a qualidade das suas uvas e o talento do seu enólogo Giuseppe Laudicina, criou três linhas de vinhos, todos varietais, que compõem o portfólio da vinícola.

Com a expansão das vendas no mercado internacional, surgiu a idéia de criar uma nova linha de vinhos fáceis de beber, não excessivamente pretensiosos, a custos acessíveis, para que os consumidores do mundo inteiro pudessem experimentar a qualidade dos vinhos sicilianos.

E foi assim que nasceu a linha Mezzaloro, composta por dois vinhos: um branco, Vulari, que em dialeto siciliano significa “voar”, e um tinto, Talì, que significa “observar”, captando a beleza e a essência desta ilha encantadora.

Para enfatizar a idéia de querer levar para o mundo a tipicidade da Sicília, nos rótulos das duas garrafas são representados crochês, produto típico do artesanato local, nos quais são simbolizadas pernas de mulheres como está na “trinacria”, que é o símbolo da região há séculos.

A poucos quilômetros de Trapani, numa antiga propriedade pertencente à família Polizzotti – Scuderi desde 1800, imersa na natureza maravilhosa da Sicília, encontra-se a vinícola Fondo Antico.

Por volta de 1920, as primeiras vinhas foram plantadas e a família começou a produzir vinhos. Em 1995, pela vontade de Giuseppe Polizzotti de querer aprimorar sua produção, nasceu uma vinícola que conseguiu combinar a tecnologia de vinificação com a tradição enológica da ilha, produzindo vinhos que expressam de maneira marcante os aromas desta terra e o calor do seu sol.

Com o desejo de se tornar porta-voz de paisagens, cores e fragrâncias locais que embelezam e tornam a ilha siciliana única no mundo, a Fondo Antico optou por cultivar as variedades autóctones do oeste da Sicília, Grillo, Inzolia, Grecanico, Zibibbo, além da Nero d’Avola e da intrigante Perricone.

As variedades internacionais são cuidadosamente selecionadas: Chardonnay, Merlot, Cabernet e Syrah, capazes de interpretar, de uma maneira única, a riqueza e a força da terra que caracteriza a propriedade da Fondo Antico.

As vinhas são plantadas numa terra de origem marinha: o solo rico em depósitos calcários contribui para tornar os vinhos mais saborosos e estruturados.

Todos esses elementos, magistralmente equilibrados, criam uma sinergia incomparável que permite a produção de vinhos extraordinários.